Como passámos o dia a tentar conseguir “credenciais” e autorização para fazer um trabalho routina que tinhamos feito em outros lugares sem problema, quando li isso ontem a noite, tive de partilhar com o mundo. É mesquinhice? É machismo? Ou representa algo mais medonho? Voltarei a falar de relações de gênero. Entretanto, no jornal Faísca 545 com data 15 de julho, sobre as prioridades da Assembleia Municipal de Lichinga: